sábado, 21 de março de 2009

Review - Dragon Quest V: Hand of the Heavenly Bride (NDS)

Dragon Quest V: Hand of the Heavenly Bride foi originalmente desenvolvido pela Chunsoft e publicado para o Super Famicon pela Enix em 27 de setembro de 1992. Em 2004, foi refeito pela  ArtePiazza e Matrix Software para o Playstation 2, mas infelizmente nunca chegou a sair do Japão.

Em 17 de Julho de 2008, ele sofreu novamente um port para o Nintendo DS no Japão, e desta vez, a Square-Enix anunciou que pela primeira vez, Dragon Quest V: Hand of the Heavenly Bride estaria vendo a luz do ocidente.

E o que dizer de Dragon Quest V: Hand of the Heavenly Bride? Valeu a espera de 17 anos para jogarmos uma versão oficial ocidental? Desde já, lhes afirmo, a espera foi impiedosa por parte da Square-Enix, mas diante da qualidade de Dragon Quest V, ela foi totalmente válida para aqueles que souberam esperar.

 

História (9/10)

O que acha de ver seu herói bebê, crescendo e se tornando um homem de grande poder, salvando o mundo das forças maléficas que querem escravizar a humanidade?

Essa é a premissa de Dragon Quest V: Hand of the Heavenly Bride.

Todas as inteirações de Dragon Quest são conhecidas por ter sempre uma história simples e cativante. E Dragon Quest V: Hand of the Heavenly Bride não é exceção.

Você começa a vida como um filho de um rei chamado Pankraz e logo depois se vê já criança acompanhando seu pai em uma viagem de navio, em busca da sua mãe que foi raptada no dia do seu nascimento.

No desenrolar da história você acompanhará o herói em uma jornada durante muitas fases da sua vida, vendo a luta e sofrimento dele para encontrar sua mãe que se encontra em mãos maléficas.  Dragon Quest V: Hand of the Heavenly Bride não possui uma história complexa como em Xenogears, não é isso que torna grandiosa a jornada heróica em Dragon Quest V. O que torna a história de Dragon Quest V cativamente, é saber explorar ao máximo o que os NPCS têm para oferecer, já que são toneladas de textos encontrados em Dragon Quest V.

Hoje, muitos rpgs não possuem força no quesito NPC. Cada um está lá somente para cumprir tabela. Mas em Dragon Quest V, cada um tem sua fala própria e certamente, aquele jogador que não conversar com a maioria deles, estará perdendo o que está acontecendo ao seu redor, aqui, a história não é construída com cutscenes mirabolantes, e sim com o dia-a-dia de pessoas que sofrem com um perigo eminente, e esperam que novamente o herói sagrado apareça no mundo.

Não detalharei nada da história aqui, para não estragar a experiência alheia, mas, apesar de ter gostado mais do sistema de capítulos de Dragon Quest IV: Chapters of the Chosen, Dragon Quest V ainda nos cativa e nos mantém presos por um bom tempo.

 

Gráficos (8/10)

A série Dragon Quest nunca foi conhecida por seus dotes gráficos, mas sua arte sempre foi poderosa, Akira Toriyama novamente mostra o seu trabalho em Dragon Quest V: Hand of the Heavenly Bride e nos traz ótimos designs, tanto de personagens jogáveis, quanto de NPCS, mantendo o carisma da série intacta.

Dragon Quest V: Hand of the Heavenly Bride possui basicamente a mesma engine gráfica de Dragon Quest IV, com um mundo 3D totalmente rotável e personagens em sprites 2D bem definidas, sem exageros.

O destaque para Dragon Quest V no quesito gráfico, realmente ficou nas animações de batalhas. Nesta versão, cada monstro em batalha está muito bem animado, possuindo muitos quadros de animações e fluidez, o que dá um novo ar, em relação à primeira versão do Super Famicon, onde os monstros eram totalmente estáticos.

O jogo ainda conta com bons efeitos de transparências, e tudo é bem cuidado, além de termos uma boa variação de cenários, mas para manter a aparência clássica da série, nada foi levado ao extremo. Dragon Quest V possui um gráfico bem cuidado, mas nada que lhe deixará de boca aberta.

PhotobucketPhotobucket


Som (9/10)

Koichi Sugiyama é nome que marca a série. Dotado de um grande talento, Sugiyama, foi um dos primeiros a se utilizar de arranjos de orquestras para dar vida musical a um jogo. E Dragon Quest V: Hand of the Heavenly Bride é mais um dos grandes trabalhos de Sugiyama.

Todas as músicas são bem arranjadas e muito bem sintetizadas para o Nintendo DS. A qualidade não deixa a desejar, e muitas vezes, você poderá se pegar assobiando alguma das faixas.

Algumas músicas já são bem conhecidas de todos que acompanham a série, mas desta vez, em relação à Dragon Quest IV, temos um pouco mais de quantidade de músicas, principalmente nos mapas.

Mas não darei nota máxima, por em parte, muitas vezes no jogo termos a impressão de estarmos ouvindo a mesma soundtrack de Dragon Quest IV: Chapters of the Chosen, e diante de tal qualidade de arranjos, esperaria mais faixas originais.

 

Jogabilidade (10/10)

Nota máxima aqui. Não há como reclamar de Dragon Quest V nesse quesito. Dragon Quest V mantém a mesma jogabilidade clássica encontrada nos rpgs japoneses, com um botão para ação, outro para cancelar, um para menu, e L e R rotacionando a câmera.

A grande novidade em Dragon Quest V, é que você pode recrutar monstros para ajudar o seu grupo, mas nada como em Pokémon. Em algumas batalhas, após serem derrotados, você possui a chance de escolher se deseja manter um monstro, e assim, você vai os coletando e certamente, você vai precisar deles.

Eles seguirão você como personagens, podendo serem equipados e subindo de level normalmente.

Outra peculiaridade bem vinda em Dragon Quest V: Hand of the Heavenly Bride é que desta vez, podemos conversar como nossos amigos do grupo, algo que foi cortado de Dragon Quest IV. A Party Talk, possui um script enorme, e nos ajuda a entender os sentimentos dos personagens em várias ocasiões, e dando vida ao grupo, nada de amigos mudos aqui.

 PhotobucketPhotobucket


COMENTÁRIOS FINAIS

Até o lançamento de Dragon Quest IV: Chapters of the Chosen no DS eu era totalmente contra a série. Nunca tinha jogado nenhum capítulo a sério, odiava o sistema de batalha, e não entendia como Dragon Quest vendia tanto.

Mas com Dragon Quest IV: Chapters of the Chosen pude perceber quão errado eu estava. Havia ali carisma sendo derramado em abundância, e após terminar Dragon Quest IV, algo se cristalizou em minha mente, eu estava apaixonado pela série.

Dragon Quest V: Hand of the Heavenly Bride só veio para justificar ainda mais o meu amor, com personagens cativantes, bela arte e trilha sonora, nos imergindo numa jornada de durante mais de 20 anos na vida de um personagem e vendo todo o seu sofrimento para se fazer cumprir um pedido do seu pai no momento de morte.

Não há como dizer que você é fã de rpgs sem jogar Dragon Quest. Eu estava errado e consegui dar a volta por cima. Dragon Quest IV foi um dos melhores rpgs que joguei no ano passado, e desta vez, Dragon Quest V: Hand of the Heavenly Bride se mantém novamente como um dos melhores do ano. Deixem o preconceito de lado e se possível, comecem a jogar Dragon Quest V: Hand of the Heavenly Bride hoje.

 

NOTA FINAL: 9/10.

4 Comentários:

Alexandre disse...

Seja bem vindo ao mundo de Dragon Quest!
Eu também não entendia a série e não jogava nenhum a sério. Mas isso mudou com Dragon Quest VIII. Jogo excelente!!! Recomendo.

Musashi disse...

Pois é, antes de jogar DQIV eu não era atraído por nada na série.

Agora espero avidamente todos lançamentos! :P

Falando em DQVIII vou tentar iniciá-lo brevemente.

CitanMK disse...

Meu caso é parecido com o do Musashi, antes de jogar o Dragon Quest IV eu não tinha interesse algum pela série, não gostava e também ignorava praticamente todos os jogos que traziam batalha em primeira pessoa.

Mas ao dar uma chance pro Dragon Quest IV no DS acabei me viciando totalmente no jogo, quando vi já tava curtindo muito esse jogo e havia me tornado um novo fã da série, há tempos não via um rpg que ao mesmo tempo que era simples era tão carismático, passei a entender e gostar do sistema de batalha também, muito bom!

Ainda não joguei o Dragon Quest V, mas não tenho duvidas que irei adorar, e continuo na expectativa pro Dragon Quest VI e IX também!

Ivan disse...

INCRÍVEL A CAPACIDADE DOS RPGS EM ENCONTRAR MAIS FÃS... ATÉ 1 ANO ATRÁS EU NUNCA TINHA JOGADO NENHUM RPG... POR PURO PRECONCEITO... MAS AO JOGAR FINAL FANTASY IV FIQUEI APAIXONADO POR RPGS E DRAGON QUEST , DEPOIS DE SEUS COMENTÁRIOS IRÁ SER JOGADO AINDA HJE. ESPERO Q ESTE SEJA DA MESMA QUALIDADE DOS FINAL FANTASYS. VLW GALERA!